cabedelo
surfsurfespacoondasmares

ptenfrdees
Desporto
Natureza
Arte
Natureza
Desporto
Natureza
Cultura
Internet Marketing Bruidsfotograaf

Exposição de Francisco Simões para ver na Figueira da Foz até 16 de julho

2017 02 18 exp franc

Mais de uma década depois de ter brindado a Figueira da Foz com uma exposição antológica no Centro de Artes e Espectáculos, Francisco Simões regressa com novas obras, desta feita ao Museu Municipal Santos Rocha. A mostra, intitulada “Sobre a pele da pedra”, dá a conhecer, nas duas salas de exposição do museu e noutros espaços exteriores e interiores,  25 esculturas de mármore, de diversos tipos, e bronze; 25 desenhos em pastel, tinta da china e lápis de cor e 21 peças de cerâmica expostas, na sua maioria, pela primeira vez. Para visitar, com entrada livre, até 16 de julho.

A inauguração de “sobre a pele da pedra”, no passado sábado, dia 18 de fevereiro de 2017, começou com dança: as jovens bailarinas da Academia Roysel Alfonso, da Figueira da Foz, deram vida às estátuas femininas de Francisco Simões, partindo das suas poses para a interpretação de coreografias que conduziram as muitas dezenas de visitantes e convidados pelos diversos espaços do Museu.

«Fui e continuo a ser muito feliz na Figueira da Foz», garantiu o escultor. «Há 11 anos fui aqui muito bem recebido e tratado, e vi as pessoas desfrutarem do meu trabalho com uma sensibilidade que me impressionou e que não encontro, muitas vezes, nos chamados centros urbanos», afirmou. «Para esta exposição trouxe muitas novidades, como as duas grandes estátuas que estão na entrada do Museu e que foram pensadas como uma homenagem ao recentemente falecido arquiteto deste museu, Isaías Cardoso», explicou. Mas nesta exposição não estão apenas esculturas mas também desenhos e peças de cerâmica e partes dos textos de outro projeto, que está na Sala 2, o das ‘Anjas do nosso mundo’, em colaboração com sete escritoras portuguesas. «A pluralidade faz parte da vida e o artista é, para mim, um ser plural. Antes de trabalhar a pedra eu vejo um desenho, composto por linhas, e antes das linhas está o singelo ponto. É com pontos em deslocação que eu interpreto a mulher, o centro do mundo», resumiu, satisfeito por contribuir com o seu trabalho «para a cultura das cidades».

O Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, João Ataíde, ladeado pelo vereador da Cultura e vice-presidente da edilidade, agradeceu a pronta resposta afirmativa de Francisco Simões ao repto lançado pela Autarquia. «Os bons artistas e as boas obras contribuem para a excelência do museu», afirmou. «Queremos um museu vivo e acessível, e por isso estamos prestes a iniciar o projeto que o tornará visitável por todas as pessoas», anunciou ainda o autarca​​​​​​.


Sobre  Francisco Simões

Nascido em 1946, em Porto Brandão, Almada, Francisco Simões concluiu, em 1965, o curso da Escola de Artes Decorativas António Arroio, para onde foi encaminhado pelo professor Calvet de Magalhães. Em 1967 foi bolseiro da OCDE em Roma, Turim, Novara, Verona e Milão e, no ano seguinte, trabalhou no Museu do Louvre convidado por Germain Bazin. Em 1974 concluiu o curso de Escultura da Academia de Música e Belas Artes da Madeira e, 15 anos depois, a convite do Ministério da Educação, era consultor no projeto A Cultura Começa na Escola, e membro do grupo de trabalho para a Humanização e Valorização Estética dos Espaços Educativos. Colaborador do Jornal de Letras, Artes e Ideias no alvor da década de 90 do século XX, viu o século XXI arrancar com a Escola Secundária do Laranjeiro rebatizada de Escola Secundária Francisco Simões. 

Copyright © 2014 Município da Figueira da Foz | Desenvolvimento WRC | Design Sigyn |